Coisas do Zaca




Escrito por Zacarias Martins às 14h11
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




Histórias regionais de escritor de Gurupi em publicação nacional




Cinthia Abreu
Palmas


Pela 18ª vez consecutiva, o tocantinense Zacarias Martins está presente no Almanaque Santo Antônio, da Editora Vozes, na edição 2011, lançado recentemente no Rio de Janeiro. Publicação campeã de vendas da editora, o Almanaque Santo Antônio é publicado há 34 anos, tendo a coordenação do Frei Edrian Josué Pasini e conta com a colaboração de leitores de todo o Brasil.

Nesta edição, foram publicadas quatro colaborações enviadas por Zacarias Martins. A primeira, aborda a origem do cartão de visitas, que segundo registros históricos teria surgido no século XIX, muito utilizado por senhoras da sociedade vitoriano em suas visitas, para que fossem apresentadas pelos condutores de suas carruagens às pessoas de uma determinada casa.

Outra colaboração trata do surgimento da dentadura e sua função. De acordo com Martins, em 1927, o governo japonês mandou remover parte de um cemitério para a construção de uma nova via pública. “Numa urna cerâmica foi encontrada a primeira dentadura confeccionada no mundo. Ela teria pertencido ao famoso samurai Hidan Nokami Yagiu, e segundo estudiosos, a peça teria cerca de 344 anos. A base da dentadura de Yagiu era confeccionada em madeira “tsuguê”, arvore nativa do Japão, de grande resistência e muito utilizada, ainda hoje, na fabricação de pontes. Os dentes foram feitos de pedra-de-cera, equivalente à nossa pedra-sabão e sua coloração era marrom”, comenta.

O escritor lembra também que na página 198 do Almanaque há um texto com dicas sobre como se aproveitar os alimentos por inteiro e, na página 200, Zacarias Martins emplacou uma receita de bolinhos de talos, folha e cascas, que segundo ele, possui alto poder nutricional.

Variedades

Segundo Martins, o Almanaque Santo Antônio é uma publicação multitemática rica em sabedoria científica e popular. “No Almanaque encontramos o tempo palpitante entre o passado, o presente e o futuro, assumindo, deste modo, um caráter atemporal”, afirma, lembrando ainda que esse tipo de publicação já fez parte da infância e da vida de muita gente, citando como exemplos os almanaques de farmácias, os de conhecimentos gerais e os específicos numa linha científica. “Um dia tomamos um em nossas mãos e sentimo-nos convidados a lê-lo, sem considerar a época em que fora escrito. Os santos continuam ali, de forma atual; contos, passatempo, ecologia, culinária, dicas de saúde, culinária, humor e muitas curiosidades”, destaca.

Leitura
Frei Edrian destaca que a leitura de um livro cria um diálogo interior e, neste caso, gera propostas e conduz o leitor a mudanças internadas. Ele destaca que ler um livro é buscar na experiência de seu autor outras perspectivas, confrontando-as com as suas. “O Almanaque Santo Antônio, com simplicidade, quer propor ao leitor a descoberta do tesouro de conhecimento e sabedoria que está reservado em suas páginas e, a partir das perspectivas de vida e de experiências difundidas na variedade de textos de que é feito, apontar novas maneiras de pensar e agir”, finalizou Frei Edrian.

Serviço


O quê – Almanaque Santo Antônio com colaborações de Zacarias Martins
Páginas - 233
Preço - R$ 12,00
Onde comprar - Editora Vozes (www.editoravozes.com.br)

Publicado no Jornal do Tocantins, de Palmas - Caderno Arte & Vida, em 29.09.2010



Escrito por Zacarias Martins às 15h33
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




Zacarias Martins participa da Antologia de Poetas Brasileiros Contemporâneos


Comunico a todos que sou o único representante da literatura tocantinense presente na Antologia de Poetas Brasileiros Contemporâneos – Volume – 67, lançada neste mês no Rio de Janeiro, pela Câmara Brasileira de Jovens Escritores (CBJE).

A obra reúne textos selecionados de autores de 12 Estados brasileiros, além do Distrito federal, bem como, da Áustria, Espanha e Portugal.

Participo da obra com a poesia Coração Incontrolável.

(Clique aqui para ler a poesia)

Sito-me privilegiado em participar desta obra, principalmente, devido sua importância no contexto literário brasileiro da atualidade.



Escrito por Zacarias Martins às 17h55
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




De volta ao passado


Recentemente estive em Belém do Pará, minha terra natal, passando alguns dias de férias, quando aproveitei a oportunidade para rever familiares e amigos

Minha irmã, Helena, entregou-me uma foto antiga minha, quando eu tinha onze anos e estudava o primário no Grupo Escolar D. Pedro II, época que sequer sonhava que Gurupi existia. Quem diria que anos mais tarde, lá pelos idos de 1983, eu me mudaria de malas e cuia para essa simpática cidade tocantinense?

Pela foto de infância é perfeitamente possível notar que já naquela época eu apresentava certo charme, coisa que veio se consolidar anda mais na minha fase adulta.

Minha ida à Belém foi, entre outras coisas, uma verdadeira viagem no tempo. Todos queriam me mostrar as novidades dessa metrópole ou o que ainda do passado continua preservado.

Não faltaram aquelas pessoas que faziam questão de me mostrar fotos antigas minhas, para fazer uma comparação entre passado e presente.

Sinceramente, devo confessar que não sei se por bondade ou por pena, mesmo, por várias escutei que eu “não havia mudado nada”. Até um primo que não via há mais de 25 anos perguntou-me se eu havia tomado gotas de formol, já que, segundo ele, apesar da minha idade, eu “estava bem conservado”.

Por derradeiro, fui levado a um animado baile onde o destaque musical era o tecnobrega, com direito a ter minha “presença ilustre” devidamente registrada pelo disc jockey como “grande personalidade do Estado do Tocantins”. É mole?

Mas, brincadeiras à parte, foi uma viagem deveras interessante e que pretendo repetir por mais vezes e com intervalos menores, pois valeu a pena.



Escrito por Zacarias Martins às 10h08
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




"Histórias da História de Gurupi" é indicado  novamente para o Vestibular do Centro Universitário Unirg

Quem disse que Gurupi não tem histórias pra contar? Tem, sim, e muita. O que não falta na cidade é contador de histórias. Foi por isso que  publiquei o meu sétimo livro “Histórias da História de Gurupi”, reunindo uma seleção de crônicas sobre o cotidiano desta que é considerada a Capital da Amizade.

O curioso é que mesmo não tendo nascido aqui e, assim como muita gente que mora na cidade, passei a viver em estado de gurupiense, pois fiquei perdidamente apaixonado por esta cidade, com a qual, me identifico entre tantas e tantas emoções.

Foi por essas e outra razões, não tanto por vaidade, mas sim, por orgulho, que tive a grata satisfação de ser informado que a Banca de Língua Portuguesa novamente utilizará o meu livro na elaboração das provas do Processo Seletivo  do Vestibular do Centro Universitário UnirG.

Diante dessa informação, não perdi tempo. Já estou visitando cursinhos pré-vestibulares e escolas de segundo grau, fazendo palestras e discutindo com alunos e professores os vários aspectos desse meu trabalho literário.

O livro custa R$ 20,00 o exemplar, já   incluidas as despesas postais de envio via Correios. Para comprá-lo é só fazer a solicitação via e-mail para zacamartins@gmail.com.



Escrito por Zacarias Martins às 20h35
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




Memória Literária no Colégio Positivo de Gurupi


Como convidado especial estive na sexta-feira,15, no Colégio Positivo de Gurupi, ministrando palestras dentro da programação do Projeto Memória Literária, que busca resgatar um pouco da história e dos costumes da Capital da Amizade. Foram duas palestras pela manhã e uma no período da tarde.

Como suporte pedagógico desse projeto, o colégio utiliza textos de meu livro “Histórias da História de Gurupi”, que mais uma vez foi indicado para o vestibular do Centro Universitário Unirg,

A constatar pela receptividade, os alunos gostaram do meu trabalho literário.



Escrito por Zacarias Martins às 20h33
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




COM QUE CARA?


Tem gente que não tem jeito,

precisa urgentemente mudar.

Faz tudo sempre errado

e pensa que certo está.


Eu já não sei mais o que fazer

Com gente como essa.

Suja a nossa cidade

E acha que é legal à beça.


A sujeira já é tamanha

como tamanha é a ignorância.

Vocês sabiam que cidade limpa

é coisa de muita importância?


Colaborem com a limpeza,

mostrando um pouco de educação.

Olhem só a cara lambida

de quem joga lixo no chão:





Escrito por Zacarias Martins às 22h08
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




Palestra na Escola da Copefa abordou a formação de leitores na era do conhecimento



No dia 15 de abril, pela manhã, estive em Formoso do Araguaia, cidade localizada no Sul do Tocantins e a 320 km de Palmas, nossa capital, para ministrar palestra com o tema “A importância da formação de leitores na era do conhecimento”. O convite partiu da diretora da Escola Copefa– Cooperativa de Educadores de Formoso do Araguaia, professora Maria Madalena Costa Martins Souza, que estava promovendo o “Dia D da Leitura”

Foi uma experiência gratificante, principalmente, por constatar que a escola coloca em prática – e com muita competência – várias ações de incentivo a leitura e a produção textual, propiciando ao alunado a participação entusiasmada, contribuindo também para despertar o senso crítico que certamente irão transforma-los em cidadãos mais conscientes de seus direitos e deveres ao mesmo tempo em que os prepara para vencer os obstáculos que por ventura lhes surjam pela frente.

Após a minha palestra, fiz o sorteio de vários livros entre os alunos, bem como, doação de algumas publicações de autores tocantinenses à Biblioteca da Escola. A Copefa integra a rede de escolas do Sistema Positivo de Ensino.



Escrito por Zacarias Martins às 07h01
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




Escola da Fundação Bradesco é finalista ao Prêmio Microsoft Educadores Inovadores


O projeto “Barreiro - Fruticultura Doméstica em Miniaterro Sanitário Controlado”, desenvolvido pelo professor de Educação Ambiental, Lucrécio Filho, da Escola de Canuanã, da Fundação Bradesco, em Formoso do Araguaia, está entre os três finalistas, na categoria Educador Inovador, do Prêmio Microsoft Educadores Inovadores e participará de um evento, no dia 25 de agosto, em São Paulo.

“O objetivo com desta premiação é incentivar o desenvolvimento de projetos para melhoria do processo de aprendizagem, promover a troca de experiências entre educadores, criar referências no uso inovador da tecnologia e valorizar as escolas públicas de ensino fundamental e médio", afirma Ana Teresa Ralston, gerente de programas educacionais da Microsoft Brasil.

Para que o projeto seja vencedor e possa representar o Brasil na etapa regional do Prêmio, haverá uma nova votação popular, no período de 18 a 25 de agosto, no site http://www.educadoresinovadores.com.br

"Ao se identificar e divulgar os melhores projetos e práticas de envolvimento tecnológico no ensino-aprendizagem e na gestão escolar, o resultado é a criação de referências para outras escolas" diz a supervisora de marketing da Microsoft Brasil, Adriana Pettengill. Um ganho para a educação no Brasil que, ao que tudo indica, está em destaque pela qualidade e realização de premiáveis projetos resultantes dos programas educacionais da Microsoft.

A direção da escola, professores e alunos, além de outros parceiros, estão se mobilizando para carrear uma quantidade expressiva de votos e garantir a premiação desse projeto, vez que neste certame, Canuanã está representando o Tocantins.



Escrito por Zacarias Martins às 14h48
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




O Telecatch de Gurupi



Durante a década de 1960, na extinta TV Excelsior de São Paulo, um programa chamava a atenção dos telespectadores de todo o Brasil: era o Telecatch, dedicado à exibição de combates de luta livre que combinavam encenação teatral e circo, tendo alcançado o auge do sucesso, com a presença do herói Ted Boy Marino.

De lá para cá muita coisa mudou na televisão brasileira, mas percebe-se, claramente, que a essência contida no sensacionalismo daqueles anos idos continua a mesma, com algumas repaginações para dar o ar de “modernidade”, naturalmente.

Em todos os Estados do Brasil, vê-se que na busca de audiência fácil e, mais ainda, de aumentar o número de anunciantes, certos apresentadores de programas televisivos sensacionalistas, sem nenhum pudor, se vestem de paladinos da justiça e defensores dos pobres e oprimidos para tirar algum tipo de proveito próprio.

O alvo preferido desses apresentadores tem sido aquela população com pouca ou nenhuma instrução escolar, principalmente, pessoas que vivem em situação de fragilidade social e que por isso mesmo, se tornam presas fáceis desses manipuladores da opinião pública, ainda mais, quando se tem à mão, um poderoso veículo de comunicação de massa, como é o caso de uma emissora de televisão.

A própria história recente da política brasileira tem registrado nos seus anais o aparecimento de políticos que se apresentam como “salvadores da pátria”, na busca de conquistar a confiança do eleitor e tirar proveito próprio de um cargo público.

Por isso mesmo, as pessoas esclarecidas e de bom senso de Gurupi, estão vendo como salutar o embate que está sendo travado na telinha por dois apresentadores de programas locais.

De ambas as partes há uma disposição herculínea de torna pública as mazelas do outro. Nunca, na televisão gurupiense assistiu-se a um Telecatch como esse.

Apesar do uso constante do controle remoto da TV para, a todo o momento, trocar de canal e não perder os detalhes sobre o que um está dizendo do outro, o embate é interessante. Além disso, é grande o interesse do telespectador gurupiense para saber quem vai a nocaute. É esperar para ver.


Escrito por Zacarias Martins às 07h35
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




“Segundo informações...”

DE QUEM?

É sofrível a falta de preparo e de criatividade de certo apresentador de um programa local que em qualquer matéria apresentada, insiste em repetir, por várias vezes, a frase “segundo informações...”. Outro dia, quando ele comentava uma matéria, contabilizei oito “segundo informações...”, isso, sem contar as reiteradas vezes de “segundo informações...”, também ditas por seu repórter. Afinal, são informações de quem???

ENTUSIASMO

Os organizadores da Praia da Tartaruga, no vizinho município de Peixe, dizem, com certo entusiasmo, que o local é excelente para os banhistas, pois ali não têm piranhas, ao contrário do que ocorre nas praias que ficam na capital, Palmas.

CONTROVERSO

No fim da semana passada, estive na Praia da Tartaruga e, curiosamente, não vi nenhuma tartaruga. Encontrei por lá várias espécies de peixes, peixinhos, peixões, algumas sereias e até baleias. Quanto às tais piranhas, bom... há controvérsias...

FUNÉREO

Os preços praticados pelos comerciantes estabelecidos na Praia de Peixe estavam pela hora da morte. Teve menos prejuízo os precavidos, que levaram os comes & bebes de casa...

ENQUANTO ISSO...

O prefeito Zé Pequi, de Aliança do Tocantins, caprichou na infra-estrutura da Praia do Croá, que se transformou num lugar mais aprazível ainda, tendo atraído muitos turistas até de outros estados, que foram em busca de lazer aliado a sossego.

RISCADOS

É de conhecimento público que Deus escreve certo por linhas tortas. No entanto, a gente precisa entender, pelo menos, um pouquinho do riscado divino.

ROMÂNTICO

Querida, eu queria tanto a mala, mas esqueci na rodoviária de Gurupi.



Escrito por Zacarias Martins às 20h26
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]






Banda H2O Purificados lança primeiro CD em Gurupi


Com cinco anos de estrada no universo da música gospel, os integrantes da ex-Banda S'seis, ressurgem agora com uma nova proposta musical e também com nova denominação, porém, com o mesmo propósito de louvar o nome do Deus Todo Poderoso, levando a palavra do Altíssimo em forma de música a todos os cantos.

Tendo em sua formação os músicos João Fernando (violão e vocal), Luziano (contrabaixo), Paulo Sérgio (bateria) e Wellington (guitarra e vocal), a agora, rebatizada Banda H2O Purificados, prepara o lançamento de seu primeiro CD “Inclinai os Ouvidos”, que acontece neste sábado, 11, a partir das 19h30, na 1ª Igreja do Evangelho Quadrangular de Gurupi, localizada na Avenida Guaporé, entre as ruas 14 e 15, do Setor Leste


O repertório é bastante animado, com músicas no estilo pop e pop-rock. Ao todo, são nove músicas inéditas, sendo sete composições da própria banda, e duas do tecladista Diomar Fontoura. O trabalho apresenta, ainda, dois corinhos bastante conhecidos no meio gospel que são: "Vem com Josué" e "Leão de Judá", com arranjos produzidos pela banda.


O CD “Inclinai os Ouvidos” foi gravado no estúdio da própria banda em Gurupi e remasterizado em Goiânia, na Bara Agência de Comunicação, do músico Zambelê. Após o lançamento em Gurupi, a Banda H2O Purificados, dará continuidade ao trabalho de divulgação em várias cidades do Tocantins.


SERVIÇO

O quê? – Lançamento do CD “Inclinai os Ouvidos

De quem?- Banda H2O Purificados

Onde? - 1ª Igreja do Evangelho Quadrangular de Gurupi - Avenida Guaporé, entre as ruas 14 e 15, do Setor Leste - Gurupi - TO.

Quando? - Sábado, dia 11, às 19h30

Preço do CD: R$ 10,00



Escrito por Zacarias Martins às 21h15
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




“Jornalistas-cozinheiros”


Um amigo meu, dono de restaurante, me confidenciou que depois que o presidente do STF, ministro Gilmar Mendes comparou a profissão de jornalista com a de cozinheiro, está pensando seriamente em recrutar esses profissionais diplomados para trabalhar na cozinha de seu estabelecimento.

Convém lembrar que “cozinhar”, no jargão jornalístico, significa reescrever texto publicado em outro veículo.

No cardápio, que passará a ser chamado de “Pauta do Dia”, provavelmente constará de certos pratos exóticos, com nomes sugestivos, tais como: “Manchete Sensacionalista ao Molho Madeira”, “Peixe na Retranca”, “Frango ao Copidesque” e, para acompanhar, que tal um “Cocktail de Última Edição”?

Em substancioso artigo publicado no site Observatório da Imprensa, nesta semana, o jornalista Alberto Dines faz um desafio: Gilmar Mendes, mesmo com seu vasto saber jurídico, sua cultura, sua capacidade de expressar-se com tanta clareza e elegância como também seu conhecimento do idioma alemão, quem teria coragem de contrata-lo para dirigir um jornal?

Dines enfatiza ainda que jornalistas são treinados para a infindável tarefa de reescrever-se continuamente e que nas redações não há tempo para filosofar. Nem há tempo para olhar-se no espelho e reclamar.

Agora, além do fim da obrigatoriedade do diploma, os candidatos a jornalistas que se interessarem por passar pela faculdade terão que estudar mais. No Ministério da Educação, a comissão que analisa as mudanças nas diretrizes curriculares do curso vai propor um aumento da carga horária das atuais 2.700 horas-aula para 3.200 horas-aula.

E tem mais: deverá voltar a permissão para a realização de estágio em redações, proibida desde a década de 70. E o curso de Jornalismo pode sair dos departamentos de Comunicação das universidades. Uma das idéias centrais da comissão é a necessidade de tirar o Jornalismo da área da Comunicação Social, passando a ter diretrizes independentes, mais focadas na área.

Nada contra a ilustre categoria dos profissionais de cozinha deste País, porém, graças a intérpretação equivocada do Douto Ministro Gilmar Mendes, de uma hora para outra, ficou-se sabendo que lugar de jornalista é na cozinha!


Escrito por Zacarias Martins às 16h30
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




Um menestrel literário

Para Zacarias Martins

Há anos conheci, com prazer, um andarilho...
A todos que lhe procura não dar rabiçaca.
Um escrevente cortante qual golpe de faca,
Que faz as rimas sem usar nenhum trocadilho.

E rabisca tão simples sem sair do seu trilho.
Ajustado num rumo similar a catraca.
Seus escritos são belos tal qual curicaca,
Ao mesmo tempo, fortes, similar um novilho.

Prá amparar um alguém não bota empecilho,
necessitando servir confia até a bruaca.
Na cultura local é a frondosa estaca,

que segura assente sem deixar estribilho.
Para tempo vindouro preparou o seu filho.
Estou descrevendo o pequeno grande Zaca.

Autor: Arimatéia Macêdo –
www.arimateia.com



Escrito por Zacarias Martins às 16h18
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




Vamos humanizar a Av. Goiás?

                                                                                         Foto: Cláudio Frascari

          

A primeira vista, pode até parecer alarmismo, mas não é. A Avenida Goiás, em Gurupi, precisa urgentemente humanizar-se, já que a cada dia que passa o ser humano vem perdendo espaço para os veículos que trafegam ou que ali simplesmente estacionam preguiçosamente, ocupando vaga até mesmo, dos clientes.

Após árdua discussão em sala de aula sobre o tema em questão e tendo a orientação do professor Paulo Albuquerque, acadêmicos do sexto período do curso de Jornalismo do Centro Universitário Unirg, dentro da disciplina Projetos Experimentais I, aceitaram o desafio de realizar uma pesquisa de campo nessa que é a principal e mais problemática Avenida de Gurupi.

Pensou-se inicialmente saber o que as pessoas acham da falta de estacionamento e quais sugestões poderiam ser feitas ao poder público. Alguns minutos de diálogo franco mostraram que a turma queria mais. O espaço para estacionar carros e motos na Goiás, ou melhor, a falta dele, é só um dos problemas que a avenida enfrenta. Na verdade, a idéia é propor uma discussão ampla sobre as condições gerais da Goiás.

A pesquisa ouviu 450 pessoas, com abordagens feitas nos comércios e serviços instalados ao longo do trajeto compreendido entre as ruas 02 e 19. Foram entrevistadas, ainda, pessoas que estavam na avenida durante o trabalho de pesquisa e outros usuários.

Apesar de árduo, o trabalho foi muito interessante, pois deu oportunidade para aproximar os acadêmicos das pessoas e realizar uma tarefa muito importante para todo e qualquer estudante que se propõe a mudar o mundo por meio de pesquisa científica.

Chama ainda a atenção, o relato dos acadêmicos ao constatar que a população não tem muita prática em responder perguntas qualitativas, que, grosso modo, são formuladas para redefinir parâmetros sociais. E mais: o gurupiense não está acostumado a ser consultado, por isto, não sabe bem qual é o papel da pesquisa científica.

Curiosamente, grande parte das pessoas entrevistadas nessa pesquisa afirmou não saber exatamente o que significa “humanizar a Avenida Goiás”, mas todas concordam num ponto: é preciso que se façam mudanças urgentes para melhorar a questão do trânsito e do estacionamento naquela via pública.

Por derradeiro, vejo esta experiência dos acadêmicos bastante proveitosa, não só para eles próprios, mas também, para a cidade que pode se beneficiar de seus resultados. Iniciativas como essa, devem e podem acontecer com mais freqüência, principalmente, aproveitando-se o potencial dos acadêmicos que recebem o suporte do Centro Universitário UnirG para desenvolver trabalhos científicos em prol da Capital da Amizade.


Escrito por Zacarias Martins às 16h08
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]


[ página principal ] [ ver mensagens anteriores ]


 
Meu perfil
BRASIL, Norte, GURUPI, Homem, E-mail: zacamartins@gmail.com
Histórico
Outros sites
  UOL - O melhor conteúdo
  BOL - E-mail grátis
  ANA MÁRCIA
  JOÃO GOMES
Votação
  Dê uma nota para meu blog